WAGNER BORGES

Wagner D'Eloi Borges – nascido no Rio de Janeiro em setembro de 1961 – é pesquisador espiritualista, projetor extrafísico, conferencista, consultor da Revista UFO e colaborador de várias outras revistas como, Sexto Sentido, Espiritismo e Ciência, Revista Cristã de Espiritismo, Caminho Espiritual, e também do Jornal O Legado.
Autor de onze livros dentro da temática projetiva e espiritual, dentre eles a série "Viagem Espiritual", sobre as experiências fora do corpo.
É radialista – apresentador do programa "Viagem Espiritual", na Rádio Mundial de São Paulo – 95.7 FM.
É o fundador do Instituto de Pesquisas Projeciologicas e Bioenergeticas (IPPB) em São Paulo.

Wagner Borges, por ele mesmo:

" Sou um espiritualista com qualidades e defeitos. Não sigo nenhuma doutrina criada pelos homens da Terra, seja ela oriental ou ocidental. Não sou mestre nem discípulo de nada. Escrevo o que sinto espiritualmente, por ordem de um amor secreto que não se explica, só se sente, só se sente, só se sente...
As pessoas adoram rotular os outros de acordo com suas próprias convicções espirituais. Se alguém escreve algo sobre projeção da consciência, é logo rotulado como projetor ou projeciólogo. Se recebe um texto espiritual, é rotulado como espírita. Se fala de Jesus, é chamado de cristão. Se fala de Buda, é budista. Se faz um poema sobre Krishna, é hinduísta. Se escreve sobre Hermetismo, é tachado de esotérico. Se diz que viu um preto velho, deve ser de Umbanda. Se fala de preceitos iogues, é considerado discípulo de algum caminho espiritual oriental. Se admira Lao-Tzé, é rotulado como taoísta. E, daí por diante, outros rótulos, rótulos, rótulos... que, na verdade, não definem coisa alguma. Só servem para limitar a expressão do outro e condicioná-lo a um sistema doutrinário qualquer. Que dia radiante será aquele em que chamarmos o outro apenas de irmão, sem considerar raça, sexo, religião ou cultura"
.

Contato:info@ippb.org.br

INDICE

HOMEM - A CENTELHA VITAL DO TODO

QUESTIONAMENTOS PROJETIVOS E CONSCIENCIAIS

A ALQUIMIA DO AMOR

REFLEXÕES ESPIRITUAIS – TOQUES DOS INICIADOS

ENSINAMENTO DO MESTRE AIVANHOV

TELAS DA VIDA

NADANDO NAS ÁGUAS DO CÉU

KRISHNA – INSPIRAÇÃO DOS MEDICOS DE ALMA

PRECE AOS BUDAS DA TERRA PURA

EU REAL – ALÉM DAS APARÊNCIAS

NA COLUNA DE LUZ COM O RABI I

A SABEDORIA DE SRY AUROBINDO

NA LUZ DE KRISHNA

LUZ - O FIM DO SOFRIMENTO

 
 
 
 

HOMEM - A CENTELHA VITAL DO TODO

(Quando o Amor Chama a Luz Dentro do Coração)

Oh, Homem, olha para dentro de ti mesmo e reconhece o Eterno em teu Ser.
Tu és a centelha divina feito carne, a Luz das estrelas em forma humana.
Tua verdadeira casa é no infinito. Tua jornada é longa e evolutiva...
Dentro de ti estão as canções de muitas eras. Então, escuta o teu coração.
Em verdade, o que tu chamas de vazio interior é a saudade do mundo espiritual.
Parte de ti sente falta dos voos extrafísicos e dos bordejos na Luz Perene.
Muitas vezes, algo te aperta por dentro, sem que tu mesmo entendas o que é.
E isso é por causa da separação que tu fizeste entre tua mente e tua essência.
Então, tua natureza espiritual esquecida te acossa, de diversas formas...

Oh, Homem! Tu congelaste a ti mesmo em nome de que causa ilusória?
A Luz pulsa dentro de teu coração. Como isso pode ser mistério para ti?
Quando tu olhas para o firmamento estrelado, não sentes nada?
Tua descida à Terra tem um motivo. Não queres descobrir qual é o teu mister?
Porque tu te perdes em coisas tão ilusórias, e não atentas para o que é real?
Tu ainda sentes um Amor fazendo os teus olhos transbordarem de Luz?
Quando tu olhas para a linha do horizonte iluminada, tu ainda te lembras d’Ele?...
Ele, o Todo*, o teu Pai-Mãe, a Matriz da Luz, o teu Primeiro Amor.
Oh, Homem! Tu és filho do Grande Hierofante, sempre foi e sempre será...
E, mesmo quando o teu ego te afasta da Luz, o Todo continua em ti.
Nada pode te separar do Amor d’Ele. E o teu coração sabe..
.

Mesmo agora, enquanto estás revestido de corpo, tu continuas sendo Espírito!
Quando tu deitas no leito e fechas os teus olhos, ainda te lembras dos Mestres?
Tu adormeces na carne, mas ainda te lembras do voo extrafísico com teus pares?
Tu aproveitas as horas de sono para aprender, trabalhar e haurir inspirações?**
Tu ainda te lembras dessas coisas? Ou tu deitas como carne sem espírito?
Lembra-te que é justamente o contrário: tu és um espírito na carne!

Quando tu olhas para os zilhões de astros acima de ti, o teu coração freme...
Então, dentro de ti, algo te incomoda. Talvez, um sentimento não compreendido.
Ou quem sabe, a pergunta dos iniciados de todas as eras: “Quem criou isso tudo?”
Em tua mente, não há respostas, só especulações. Mas o teu coração sabe...

Oh, Homem! Lá, na origem da canção das esferas, os Hierofantes velam por ti.
Eles te conhecem mais do que tu mesmo. E sabem das tuas provas na carne...
Eles te amam como o Todo te ama. E, mesmo que tu negues tudo, eles esperarão.
Pois eles sabem que o Irmão Tempo te esclarecerá, em Luz e Sabedoria.
Eles veem o Eterno em ti. Em silêncio, te abençoam. E o teu coração freme...
A canção espiritual ressoa na câmara secreta do teu Ser Real. Então, escuta...
Com humildade e serenidade, recolhe o teu ego e aceita a Luz em ti.
Não renegues mais o chamado espiritual - e tem a coragem de Ser Real.
Oh, Homem! O Todo está em tudo. Aceita isso, pois o teu coração já sabe...

Oh, Homem! Os Iniciados te saudam, em Luz e Sabedoria.

Os Iniciados*** -
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - São Paulo, 08 de janeiro de 2014)

Nota de Wagner Borges: Enquanto eu me preparava para almoçar, repentinamente desceu uma coluna de Luz cor de vinho sobre mim. E, imediatamente, eu entrei num estado alterado de consciência. Então, sentindo o meu coração fremir naquelas ondas sutis do Amor Incondicional, peguei papel e caneta e me sentei para escrever o que viesse espiritualmente. O resultado são esses escritos do Grupo dos Iniciados, que sempre passam toques profundos e relevantes no estudo espiritual. E eu me sinto honrado de transcrever no plano físico os apontamentos conscienciais deles.
Ah, eu fico aqui, quietinho, tímido igual criança pequena, diante de um Grande Amor, que não sei explicar, só sentir, em Espírito e Verdade. Se só uma fração disso me deixa admirado, pois é muita coisa para o meu coração aguentar - é muita areia para o meu caminhão -, fico imaginando o que caras tão legais como Jesus, Krishna, Buda e outros amigos da humanidade sentiam em silêncio. Eles ancoravam o Amor mais lindo que existe.
Fico pensando naquele misterioso Poder Que Gera a Vida, "O Amor Que Ama Sem Nome". E me lembro das palavras de Shankara****, que, um dia, homenageou as consciências elevadas que ajudam a humanidade, dizendo o seguinte:
"Há almas boas, tranquilas e magnânimas, que, como a primavera, fazem o bem a todos. São almas livres, que ajudam a todos na travessia das existências seriadas. E fazem isso, apenas por sua própria bondade, sem nada esperar. E são elas que ensinam que há uma Luz maior do que bilhões de sóis juntos, que é a essência da alma; essa é a Luz que mora no coração."

É isso.
Om. Paz e Luz!

 

Notas do Texto:
* O Todo - expressão hermética para designar o Poder Absoluto que está em tudo. O Supremo, O Grande Arquiteto Do Universo, Deus, O Amor Maior Que Gera a Vida. Na verdade, O Supremo não é homem ou mulher, mas pura consciência além de toda forma. Por isso, tanto faz chamá-lo de Pai Celestial ou de Mãe Divina. Ele é Pai-Mãe de todos. Quando se afirma que o Todo é o Grande Hierofante, é no sentido de que Ele é o Supremo iniciador de todos os seres, pois está em tudo!
Obs.: Hierofante - dentro do contexto das iniciações esotéricas da antiguidade, era o mestre que testava os neófitos (calouros) nas provas iniciáticas.
** Projeção da consciência - é a capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas -, que consiste na projeção da consciência para fora de seu corpo físico.
Sinonímias: Viagem astral - Ocultismo.
Projeção astral - Teosofia.
Projeção do corpo psíquico - Ordem Rosacruz.
Experiência fora do corpo - Parapsicologia.
Viagem da alma - Eckancar.
Viagem espiritual - Espiritualismo.
Viagem fora do corpo - Diversos projetores extrafísicos e autores.
Emancipação da alma (ou desprendimento espiritual) - Espiritismo.
Arrebatamento espiritual - autores cristãos.

 
*** Os Iniciados - grupo extrafísico de espíritos orientais que opera nos planos invisíveis do Ocidente, passando as informações espirituais oriundas da sabedoria antiga, adaptadas aos tempos modernos e direcionadas aos estudantes espirituais do presente.Composto por amparadores hindus, chineses, egípcios, tibetanos, japoneses e alguns gregos, eles têm o compromisso de ventilar os antigos valores espirituais do Oriente nos modernos caminhos do Ocidente, fazendo disso uma síntese universalista. Estão ligados aos espíritos da Fraternidade da Cruz e do Triângulo. Segundo eles, são “iniciados” em fazer o bem, sem olhar a quem.
**** Shankara - sábio hindu do século 9 d.C. - autor do clássico hinduísta "Viveka Chuda Mani".

Obs.: Enquanto eu passava essas linhas a limpo, lembrei-me de um texto de Paul Brunton, que apresenta grande ressonância com esses escritos dos Iniciados. Então, deixo o mesmo na sequência.

 

O MAIOR ENIGMA DA CIÊNCIA: O HOMEM
- Por Paul Brunton -

Vivemos num globo que turbilhona vertiginosamente no espaço e cuja posição está marcada em algum lugar do grande céu entre Vênus e Marte. Há neste fato alguma coisa que provoca o riso, mas que também dá o que pensar. Embora a distância que nos separa desses dois astros seja tão imensa que confunde a imaginação, o homem a calculou com uma exatidão surpreendente e, no entanto, esse homem é incapaz de medir o alcance da sua própria mente! Ele é um mistério para si próprio, um enigma que permanece insolúvel até a hora em que o frio abraço da morte chegue, gelando seus ombros...
Não há nisso uma ironia? Pensar que a alma do homem é menos acessível às pesquisas do que a terra onde mora! Não é surpreendentemente estranho que o homem esteja tão absorvido em estudar a face do mundo que só em época relativamente recente haja pensado em conhecer o mundo que está nele?
Por que ele se preocupa tanto com a marcha do universo que, além do mais, não cabe a ele dirigir, enquanto ele deve dirigir-se a si mesmo?
O sistema solar gira muito bem sem sua ajuda... Vive! Morre! O universo não se alarma, nem se altera... escreveu Zangwill, o inteligente e sábio pensador.
O homem, porém, não aprecia muito essa verdade mordaz, porque sabe mais coisas sobre o funcionamento do seu automóvel do que do seu próprio Ser. No entanto, os antigos ensinaram e sábios do nosso tempo confirmaram que, no imo da consciência, existe um veio do mais puro quilate, veio de ouro resplandecente!
Não será, então, mais sábio se fizermos dessa busca nosso primeiro cuidado?
Comparados com outros resultados já obtidos, a Ciência tem pouca noção no que diz respeito ao homem. Descobriu como temperar metais, lançar bombas de meia tonelada sobre cidades vizinhas e mil outras coisas de menor relevância.
A descoberta da Física conheceu, durante os três últimos séculos, uma aceleração estupenda, enquanto o conhecimento sobre o homem permanece ainda na retaguarda. Sabemos construir pontes gigantescas que atravessam rios volumosos, porém não sabemos dar um passo para resolver esse simples problema: “Quem sou eu?”
Nossas locomotivas percorrem terras do mundo inteiro, mas nossa mente não sabe transpor o mistério do homem. Astrônomos chegam a captar com a objetiva de seu telescópio as mais distantes estrelas, mas se nós lhes perguntássemos se conseguiram dominar suas paixões, em resposta baixarão a cabeça, confusos.
Somos cheios de curiosidades em saber tudo a respeito do nosso planeta, mas ficamos indiferentes quando se fala do nosso eu profundo.
Temos acumulado informações extremamente minuciosas sobre cada coisa que vemos, conhecemos, e sobre o funcionamento, a qualidade e a propriedade de todos os corpos e fenômenos terrestres. Mas não conhecemos a nós mesmos!
Até aqueles que se aprofundam em todas as ciências existentes ignoram os rudimentos da ciência do “Eu”. Os cientistas que descobriram o porquê e do como da vida dos micróbios não conhecem o porquê nem o como da sua própria existência!
Sabemos o valor de cada coisa, mas ignoramos nosso próprio e inestimável valor!
Enchemos enciclopédias de milhares de páginas com milhões de informações sobre todas as coisas, mas quem pode redigir um compêndio sequer que trate do mistério do seu próprio Ser?
E por que razão o que mais nos interessa é a nossa própria pessoa?
Porque a “pessoa” é a única realidade da qual estamos certos. Todos os fatos da vida que nos rodeiam, todos os pensamentos íntimos do nosso Ser só existem para nós quando o nosso “Eu” os percebe. O “Eu” é a última essência... A primeira noção que temos de nós e será a derradeira que conheceremos ao chegarmos a ser sábios.
A verdadeira sapiência, a luz do intelecto, nos vem de dentro da esfera do “Eu”.
Não podemos conhecer o mundo e saber acerca das coisas senão através de certos instrumentos e dos nossos sentidos. Todavia, quem os interpreta e os utiliza é o nosso “Eu”. Somos, portanto, obrigados a reconhecer que o estudo do “Eu” é o mais importante ao qual um pensador deve dedicar-se.
Um sofista, aproximando-se um dia de um sábio da Grécia antiga, queria confundi-lo com perguntas embaraçosas; mas de Mileto mostrou-se à altura das provas e respondeu a todas as perguntas sem vacilar, com a maior exatidão.
Eis as perguntas:

1. Qual é a coisa antiga?
R. Deus - porque sempre existiu.

2. Qual é a coisa mais bela?
R. O universo - porque é a obra de Deus.

3. Qual das coisas é a maior? 
R. O Espaço - porque contém tudo o que foi criado.

4. Qual das coisas é a mais constante?
R. A Esperança - porque perdura no homem mesmo depois de ter ele perdido tudo.

5. Qual e a melhor das coisas?
R. A Virtude - porque sem ela nada pode ser bom.

6. Qual é a mais rápida das coisas?
R. O Pensamento - porque em menos de segundo percorre o Universo.

7. Qual é a mais forte de todas as coisas?
R. A necessidade - porque faz o homem enfrentar todos os perigos da vida.

8. Qual das coisas é mais fácil de fazer?
R. Dar conselhos.

Porém, quando chegou à nona pergunta, o sábio deu a resposta paradoxal, cujo sentido profundo - tenho certeza - jamais foi compreendido pelo interlocutor imbuído do saber intelectual, bem como para a maioria das pessoas terá apenas um sentido superficial.

A pergunta é esta:
- Qual das coisas é a mais difícil de realizar?
E o sábio milésio lhe respondeu:
“Conhecer-se a si mesmo”.
Esta foi a mensagem de sabedoria dirigida aos homens ignorantes pelos antigos sábios; esta é também a mensagem da nossa época.

(Texto extraído do livro “O Caminho Secreto”, do inspirado escritor Paul Brunton - Editora Pensamento - 1950).

Nota de Wagner Borges: Paul Brunton é autor de vários ótimos livros dentro da temática espiritual: “A Índia Secreta”, “O Caminho Secreto”, “Um Eremita no Himalaia”, “A Busca do Eu Superior”, e outros - todos editados no Brasil pela Editora Pensamento.
Em tempo: no site do IPPB - www.ippb.org.br, na coluna da Editora Pensamento - há um maravilhoso relato dele sobre uma experiência fora do corpo vivenciada dentro da Grande Pirâmide do Egito. O título do mesmo é “Uma Noite Dentro da Grande Pirâmide” - e pode ser acessado no seguinte endereço específico:
http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=4532

 
 
QUESTIONAMENTOS PROJETIVOS E CONSCIENCIAIS

(Resposta ao e-mail de um amigo do Rio de Janeiro)

- Wagner, meu bom amigo, você pode me dar algumas dicas de como melhorar o nível de minhas saídas do corpo*?
Eu gostaria de melhorar nisso. E como você estuda isso há tanto tempo, com certeza pode me ajudar com seus toques espirituais.
Vai, me ajuda aí, velho amigo.
E quando vier dar alguma palestra aqui no Rio de Janeiro, como aquelas que você dava antigamente no bairro do Leblon, nas noites de sextas-feiras (bons tempos aqueles em que você morava aqui e podíamos conversar até tarde sobre os assuntos espirituais), por favor, me avise. Vou levar uns amigos que tem saídas do corpo e morrem de medo – e, quem sabe, convencê-lo a não se esquecer de sua terra e vir esclarecer a galera daqui também.

- Resposta:
Meu amigo, permita-me respondê-lo de uma forma diferente, paradoxalmente, com outras perguntas. No cerne delas está a essência das experiências fora do corpo, aqui consideradas como uma arte parapsíquica a ser desenvolvida com discernimento, alegria e criatividade – sempre de forma construtiva.
Afinal, de que adianta estudar esse tema, se não for para rir mais e ser feliz?
Então, para responder suas questões projetivas, envio-lhe outras questões...
Espero que isso o estimule a estudar com mais carinho e dedicação essa maravilhosa arte das saídas do corpo.
E, por favor, seja feliz.
(Quando for possível, darei uma passadinha aí para visitá-lo.)

Quando você deita o seu corpo no leito e fecha os olhos, quais são as imagens que pululam em sua tela mental interna?
Você dorme pensando em que?
Você tem medo de seres extrafísicos?
Você costuma encher o seu quarto de Luz?
Você costuma agradecer ao Todo pelo dom da vida?
Você considera sua cama como um cantinho luminoso?
Você costuma se lembrar dos mentores espirituais na hora de dormir?
Você dorme pensando o que dos outros?
Você lê algum livro com conteúdo espiritual elevado na hora de deitar?
Você costuma ouvir boa música na cama?
Você tem o hábito de meditar antes de dormir?
Você costuma ler sobre as experiências fora do corpo?
Você sabe que conhecimento não é o mesmo que sabedoria?
Você se reconhece como um espírito temporariamente reencarnado?
Você vê o estudo das saídas do corpo só de forma teórica e técnica?
Você coloca Amor, Alma e Coragem em seus estudos espirituais?
Você honra a Luz em sua jornada e sente-se agradecido ao Alto?
Você têm a coragem de vencer a si mesmo(a)?
Você sabe que não sabe tudo?
Você se considera um cidadão do universo?
Você é capaz de rir de si mesmo(a)?
Você dorme pensando em Paz e Luz?***

- Wagner Borges – apenas seu amigo, não seu mestre.
São Paulo, 15 de dezembro de 2013.

Notas:
* Projeção da consciência – é a capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas -, que consiste na projeção da consciência para fora de seu corpo físico.
Sinonímias: Viagem astral – Ocultismo.
Projeção astral – Teosofia.
Projeção do corpo psíquico - Ordem Rosacruz.
Experiência fora do corpo – Parapsicologia.
Viagem da alma – Eckancar.
Viagem espiritual – Espiritualismo.
Viagem fora do corpo – Diversos projetores extrafísicos e autores.
Emancipação da alma (ou desprendimento espiritual) – Espiritismo.
Arrebatamento espiritual - autores cristãos.  

** Segue-se abaixo um pequena bibliografia sobre as experiências fora do corpo, para que você possa aprofundar suas pesquisas nesse tema:

- A Projeção do Corpo Astral - Sylvan J. Mulddon e Hereward Carrington - Editora Pensamento
- Viagem Espiritual - Vols. 1, 2 e 3 - Wagner Borges - Editora Universalista.
- Projeção Astral – O Despertar da Consciência – Liliane Moura Martins – Editora Vida e Consciência.
- Aventuras Além do Corpo - William Buhlman - Editora Ediouro.
- O Segredo da Alma – William Buhlman – Editora Pensamento.
- Viagem Extrafísica - Geraldo Medeiros Jr. - Editora Forever.
- Projeções da Consciência - Waldo Vieira; Editora IIPC.
- Projeciologia – Waldo Vieira – Editora IIPC.
- Viagens Fora do Corpo - Robert Allan Monroe - Editora Record.
- Além do Corpo - Marco Antonio Coutinho – Editora Mauad.
- Sana Khan - Um Mestre no Além - Luiz Roberto Mattos - Editora Bookemakers.
- Voltar do Amanhã - George G. Ritchie - Editora Nórdica.
- A Viagem de Uma Alma - Peter Richelieu - Editora Pensamento.

Para ver uma extensa bibliografia específica (nacional e internacional) sobre as experiências fora do corpo, favor acessar o site do IPPB, no seguinte endereço específico: http://www.ippb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=6637&Itemid=71 

Obs.: Deixo na sequência um lindo texto do Oliver Fox, que foi um pesquisador e praticante das experiências fora do corpo na primeira metade do século 20. Leia-o com atenção, pois, quem sabe, poderá inspirá-lo em seus estudos projetivos e conscienciais. É um texto lúdico, que diz mais do que alguns livros extensos sobre o tema, pois porta uma sintonia espiritual elevada (e você poderá “pescar” algumas pérolas espirituais que o autor deixou nas entrelinhas – e também em algumas expressões simbólicas inseridas no mesmo.

 

A CANÇÃO DE ADEUS DA ALMA

- Por Oliver Fox -

Quando as últimas notas da Sinfonia do Verão se insinuarem pelo jardim, eu me prepararei para uma viagem.  Fecharei o Livro das Horas e colocarei o meu lacre em cima com mão firme.
Nunca mais desta janela verei a casta donzela oriental chegando, corada pelo sono, ou a esquadra desfraldando o Velocino Dourado, navegando para Oeste.
Mas eu nunca os esquecerei; eles estão embalsamados no depósito da memória; seus presentes estão preservados no santuário do Espírito.
Não precisarei de nenhum ouro para a viagem, somente os tesouros do Amor, os primeiros frutos do Sacrifício. Se não os tiver, partirei de mãos vazias.
Nenhuma crença escrita em papel servirá como um passaporte: somente as Leis da Devoção – Pensamento Correto, Trabalho Correto – gravados pelo Escultor da Vida nos pergaminhos do Coração.
Eu deixarei aqueles que me amaram... Suas trêmulas palavras de adeus, guardarei com carinho no coração, para sempre.
Com minha mão sobre o trinco, sorrindo olharei para trás, e lhes darei minha benção.
A terra para onde viajarei não está distante... Embora eu me mude para um novo lar, ainda seremos vizinhos. A cerca que nos separa não é uma mata impenetrável; ela será trespassada pelas flechas do Amor desferidas por um desejo respeitoso.
Eles ouvirão minha voz confortando-os na noite de suas aflições. Minha mão apertará as deles no leme quando eles navegarem por mares perigosos.
E então, quando o Gongo da Noite tocar o amém para o Discurso do Tempo, eu abrirei a porta de par em par e irei para diante, dentro da Aurora, cantando.
Como estará cerrada e silenciosa a casa, depois da minha partida! Ninguém me verá ou ouvirá partir, salvo aqueles que têm visão.
Com sandálias aladas como o Pensamento eu viajarei pela estrada. Levantarei meus olhos para as montanhas coroadas de glória. E lá, no final da viagem, alguém mais bela do que uma rosa, mais terna do que uma mãe, mais compreensiva do que os sábios, estará me esperando.
Minha saudação, apenas estas palavras: “É você, Amor?”
Em resposta, somente estas palavras: “Venha! Sou eu!”
Então, em silêncio, depois da busca, depois de arar, da semeadura, depois da vigília, dos lamentos, da esperança, para os campos da Colheita nós iremos de mãos dadas.

(Texto extraído do livro “Astral Projection - A Record of Out-of-the-Body Experiences” - The Citadel Press – New Jersey, U.S.A.)

Nota de Wagner Borges: Alguns textos deste livro foram publicados esporadicamente como artigos soltos na década de 1920 (há alguns comentários sobre eles na excelente introdução de Hereward Carrington para o livro “A Projeção do Corpo Astral”, editado por ele e Sylvan J. Muldoon em 1929, nos E.U.A.). Posteriormente, já durante a década de 1930, Oliver Fox finalmente publicou-os em forma de livro completo na Inglaterra.
Trata-se de um clássico das saídas do corpo e dos sonhos lúcidos, além de mencionar bastante a glândula pineal (epífise).
Oliver Fox (pseudônimo do inglês Hugh Callaway, 1886-1949), Yram (pseudônimo do ocultista francês Marcel Louis Fohan, autor do excelente livro “Le Medecin de L´âme”) e Sylvan J. Muldoon (1903-1971) são os principais autores projetivos das décadas de 1920 e 1930, com obras lançadas em aberto sobre o tema, e muito contribuiram na divulgação do tema entre os leigos.
Esses três caras, aos quais cada um de nós, projetores e pesquisadores dos temas projetivos, devemos bastante pela abertura mencionada, são chamados por alguns pesquisadores de o “triunvirato” de projetores.
Um inglês, um americano e um francês tocaram bem a bola projetiva lá atrás.
Oxalá, possamos tocar bem a nossa bola projetiva também nos dias de hoje, sempre estudando com modéstia e vontade de crescer, e nunca com a presunção de que sabemos muito sobre essa bela arte das experiências fora do corpo.
Não somos mestres projetores. Somos apenas projetores.
E, antes de tudo, somos consciências espirituais estagiando em corpos densos necessários ao nosso aprendizado e evolução.
Logo, dentro ou fora do corpo, que possamos aproveitar todas as oportunidades de crescimento que se nos apresentam na existência cotidiana.
Dentro ou fora do corpo, sejamos felizes!
Em tempo: agradecimentos especiais ao Ricardo Schimidt, nosso amigo, que gentilmente aceitou o meu pedido de traduzir o livro do inglês para o português, e assim nos permitiu o acesso a esse material em nosso idioma.

Paz e Luz.

Obs.: O livro “Le Medecin de L’âme” (“O Médico da Alma”), do projetor francês  Yram, saiu nos E.U.A com o título de “Pratical Astral Projection” - Ed. Samuel Weiser – Esse ótimo livro de relatos projetivos também tem uma tradução para o Castelhano, editada na Argentina na década de 1980: “El Medico Del Alma” - Ed. Kier - Buenos Aires. HOMEM - A CENTELHA VITAL DO TODO

 
 

Maat, a Deusa da Justiça e da Verdade na antiga cosmogonia egípcia.

Esse texto é de 2002. Hoje, relendo-o, vejo o quanto de profundidade está nele. Muitas verdades... que o tempo confirma. Muitas coisas que, daquele ano para cá, se confirmaram. E que apenas demonstram o quanto a intuição espiritual jamais engana.
A figura da Maat representa essas verdades.
(Wagner Borges)

O ser humano é presa fácil do emaranhado de suas emoções mal-resolvidas e por isso facilmente perde de vista o amor. Sua teimosia se disfarça de amor próprio e leva-o para o labirinto afetivo. Em decorrência disso, ir de encontro às paredes emocionais sem saída é líquido e certo.
Logo, é correto dizer que as pessoas costumam desvalorizar o amor real e, em contrapartida, passam a valorizar as emoções viscosas em seu lugar. Porém, tudo tem um preço: o amor cura e limpa os resquícios emocionais, pois ele é pura transformação. Talvez esse seja o motivo das pessoas desgastarem o amor em seus corações: inconscientemente elas têm medo da alquimia interior causada pelo sentimento profundo. Por isso, é mais fácil deixar-se levar emocionalmente e daí estacionar em velhos dramas de auto-afirmação distorcida. E esse é o caminho mais fácil, pois já foi trilhado tantas vezes no passado, é mais familiar e confortável, apesar de sempre apresentar posteriormente os inevitáveis efeitos colaterais de não se sentir completo afetivamente.
Se o amor tem a capacidade de transformar, as emoções fazem exatamente o contrário: prendem os pensamentos nos poços de auto-culpa e jogam a auto-estima para o fundo.
E é aí que mora o perigo invisível: muitos espíritos desencarnados também estão mal-resolvidos emocionalmente após a perda do corpo físico e sentem-se atraídos inconscientemente para o perímetro energético das pessoas encarnadas que estejam na mesma sintonia. Eles costumam aderir espiritualmente na aura do pulmão, área que reflete a tristeza no corpo e que apresenta uma atmosfera acinzentada em decorrência das energias não fluirem corretamente por causa do bloqueio emocional correspondente.
Muitas vezes, principalmente quando a causa da distorção emocional está radicada em situações encrencadas de vidas passadas, forma-se uma massa escura na boca posterior do chacra cardíaco e isso acarreta um bloqueio na capacidade de sentir limpamente os sentimentos e usufruir da troca afetiva sadia. Pode-se dizer que a pessoa troca as energias rosadas do amor pela massa pesada e escura que carrega sem perceber. Alguns amparadores extrafísicos chamam isso de "fumaça consciencial".
Acho a expressão bastante apropriada, pois a pessoa não consegue ver claramente para onde suas emoções estão levando-a e a quantidade de "fuligem psíquica" aderida em suas costas.
Esse é preço que as emoções densas cobram a quem lhes dá passagem: sempre há uma fumaça impedindo a visão correta do amor verdadeiro. As pessoas não percebem, mas estão pagando um pedágio emocional caro demais para rodarem nas pistas turbulentas e cheias de buracos de suas emoções distorcidas.
Naqueles casos em que seja possível, os amparadores sempre tentam ajudar a desbloquear essas emoções escuras, seja por intermédio de intervenções espirituais efetuadas no corpo espiritual durante o sono da pessoa, quando ela está projetada temporariamente para fora do seu corpo físico de forma inconsciente geralmente, seja utilizando-se das energias de alguém próximo para isso ou intuindo-a de que o desconforto que sente é fruto de algo que não anda bem em seu íntimo.
Porém, os amparadores não fazem milagres e o seu auxílio sempre tem um limite: o livre arbítrio da pessoa. Para que eles possam auxiliar efetivamente, é preciso que a pessoa em questão esteja pré-disposta para mudar alguma coisa em suas posturas emocionais. De que adianta tentar ajudar a alguém que não quer crescer?
Espantar as moscas (as energias escuras e os espíritos atrelados nelas) e não fechar a ferida (as coisas mal-resolvidas) não adianta nada. No dia seguinte, novas moscas surgirão atraídas pela ferida ainda aberta e o processo deletéreo continuará.
De que adianta combater o efeito sem anular as causas que lhe são correspondentes?
Os espíritos pesados são atraídos pelas energias escuras na aura da pessoa. Por sua vez, essas são apenas efeitos das emoções doentes, a causa real do problema.
Portanto, a cura chama-se transformação! E é o amor que transforma e faz transcender os limites primários de manifestação.
Esse é o motivo que leva às pessoas a temerem o amor profundo: É QUE ELE TRANSMUTA O ÓDIO EM PERDÃO E FAZ O CORAÇÃO ESPIRITUAL TORNAR-SE UM SOL.
E poucas pessoas são capazes de agüentar um sol de amor brilhando em seus corações. Poucas são capazes de serem felizes aqui e agora, sem os dramas do passado atormentando o presente.
E por que o instante atual é chamado de presente?
É porque ele é isso mesmo: um presente. É a oportunidade de curar-se do passado e seguir em frente corajosamente para realizar os sonhos sadios na vida que chama.
A vida e o momento são sempre presentes! Mas é preciso ter coragem para receber o presente limpamente.
Da mesma forma, há pessoas que também são presentes da vida: aqueles que amamos e que nos amam, da Terra, de outros orbes e dos planos extrafísicos. Mas é preciso saber reconhecer o presente e ter a coragem de recebê-lo completamente, sem nenhuma fumaça psíquica agarrada nos abraços e beijos.
É preciso limpar a área e deixar o coração espiritual cheio de energias rosadas para receber o presente.
Amar é uma dádiva! Amar é ser um sol! Amar é estar presente!
Sim, o amor é o grande mestre alquimista: só ele é capaz de transformar as sombras do passado em flores douradas e os olhos outrora opacos em duas estrelinhas brilhando muito nos caminhos da vida que chama, aqui e agora... forever!

P.S.: Não sei o motivo real de ter escrito tudo isso.Talvez esses escritos possam ser úteis para reflexão de alguém (inclusive, eu mesmo).
Enquanto eu escrevia, lembrei-me tanto de Jesus e de seus ensinamentos sobre o amor, o perdão, a espiritualidade e de que "na casa do Pai há muitas moradas" e "de que adianta a uma pessoa ganhar o mundo, se ela perder a sua alma?"
Ele sempre esteve certo no que ensinava. Mas sempre houve muita fumaça consciencial (nosso egoísmo, nossa ingratidão, nossa religião, nossa teimosia e nossas energias cinzentas) impedindo a visão correta dos homens em cima de seus ensinamentos.
Jesus sempre foi um grande alquimista espiritual. E o amor sempre foi a sua pedra filosofal. E a sua tarefa sempre foi clara: TRANSFORMAR O HOMEM DE FERRO ENFERRUJADO DE EGOÍSMO NO HOMEM DOURADO CÓSMICO E RADIANTE.
Ele ensinou "o amai-vos uns aos outros" não por motivos religiosos, mas porque o amor transmuta e cura as dores do coração. Porque o amor é uma dádiva!
Por isso, eu que não sou cristão e nem sigo nenhuma religião feita pelos homens da Terra, dedico essas linhas a Jesus, mestre do amor e grande alquimista da alma.

Paz e Luz!

Wagner Borges

 

No centro da noite, escuto um chamado sutil. Vem do alto e entra pelo topo de minha cabeça. E vai direto ao meu peito... É silencioso, mas eu o escuto com o coração.É portentoso e, ao mesmo tempo, simples. Relaxo a mente e as emoções, e fico quietinho.
Então, de espírito a espírito, capto os toques dos Iniciados:

1. Violência é doença! A cura é a meditação serena.

2. Quem semear, colherá!

3. Com trevas no coração, como alcançar o Samadhi

4. Objetivos levianos sempre atraem realizações tacanhas.

5. Carregar a luz em si mesmo não é tarefa para fracos de espírito.

6. Coração escuro atrai situações e entidades trevosas.

7. Espiritualidade é ação. Não é discurso. É estado de consciência.

8. Reunião espiritual não é ponto de encontro social!

9. A quem muito é dado, muito será cobrado.

10. Conhecimento demanda responsabilidade.

11. Quem quer voar espiritualmente, que largue as correntes do medo.

12. Quem quer ir para o Alto, que se deite no leito pensando no Alto!

13. Semelhante atrai semelhante. Quem procura, acha!

14. Quem esquece a lanterna, perde-se na escuridão da noite.

15. Quem esquece o discernimento, tromba feio com as trevas.

16. Muitos se deitam em leitos com lençóis brancos e macios, porém, com a aura suja e com presenças invisíveis muito escuras agarradas neles.

17. Se a prece é de coração, tudo que é trevoso se afasta.

18. Aparência externa engana muito. Mas asenergias revelam o que cada um é. Na luz, o real sempre aparece.

19. Anda na beira do abismo quem se deixa levar pela raiva.

20. O Invisível é a origem de todo visível. Quem ama, sabe!

21. Liberdade não é fazer tudo que se quer. É saber viver em equilíbrio e bem consigo mesmo.

22. Quem é da luz, respeita as trevas. Mas não se mete com elas.

23. Grandes enganadores sempre pagam um preço alto: também acabam enganando a si mesmos, até mesmo pela força do hábito.

24. Bons estudantes espirituais não fazem por menos: jamais se deitam sem erguer os pensamentos ao Alto. E,quando acordam, fazem o mesmo.

25. O homem não é poderoso o bastante para deter a corrente do tempo e o desgaste natural do seu veículofísico. Então, de onde vem sua arrogância?

26. Quem pondera, descobre o essencial: é só o Supremo que sabe o tempo certo de cada um. O Poder real é o d'Ele.

27. As grandes provas estão nas coisas simples da vida. E os grandes mestres são simples, como a vida...

28. Bons estudantes espirituais não fazem por menos: não reclamam das provas do caminho. E tiram lições delas, para seguir em frente com mais sabedoria...

29. Se alguém tiver ódio de alguém, não é da luz, pois seu coração escuro o liga a outras coisas trevosas.

30. Quem bate é fraco de caráter. Forte é quem ama e compreende.

No centro da noite, eu medito e aprendo. Sondo o meu coração e pondero. E sinto várias presenças invisíveis, serenas e amigas, me saudando. E, por incrível que pareça, elas me agradecem por eu terescrito. E eu também agradeço a elas, por me passarem reflexões tão legais. Então, elas e euagradecemos juntos ao Supremo, por tudo. E a noite se ilumina, na graça do Todo que está em tudo.

P.S.: Às vezes, quem está no meio da multidão agitada, está mais só do que imagina. E quem, aparentemente, está só, mas na Luz, está mais acompanhado do que pensa, pois se sente ligado a miríades de seres luminosos pelo espaço infinito... Na noite das baladas, onde homens, mulheres e espíritos infelizes se engalfinham energeticamente, sedentos de sensações alienantes na atmosfera escura da grande metrópole de aço e concreto, onde o Grande Arquiteto Do Universo também me colocou para viver, aprender e trabalhar, eu escutei um chamado sutil para outra balada, em espírito. E minhas companhias de balada consciencial são o sábio Sanat Khum Maat e o grupo extrafísico dos Iniciados É com eles que vou viajar espiritualmente daqui a pouco, logo que deitar a carcaça no leito. E, graças a Deus, não estão limpos apenas os lençóis da cama, mas a aura também. E eu vou me deitar pensando no Alto, como deve ser...

Paz e Luz!

São Paulo, 09 de agosto de 2008. (Madrugada de 6ª feira para sábado, noite das baladas, dos homens e dos espíritos, onde quem manda é a sintonia daquilo que se busca – e as companhias correlacionadas a isso. Há baladas agitadas na noite escura do mundo. E outras baladas, extrafísicas, com os mentores espirituais, na Luz do Céu. Mas, só chega lá quem deita pensando no Alto, e com os lençóis e a aura bem limpinhos.)

Notas:

1. Samadhi – do sânscrito – expansão da consciência; estado de consciência cósmica.

2.Aura – do latim, aura - sopro de ar – halo luminoso de distintas cores que envolve o corpo físico e que reflete, energeticamente, o que o indivíduo pensa, sente e vivencia no seu mundo íntimo; psicosfera; campo energético.

3.Os Iniciados - grupo extrafísico de espíritos orientais que opera nos planos invisíveis do Ocidente, passando as informações espirituais oriundas da sabedoria antiga, adaptadas aos tempos modernos e direcionadas aos estudantes espirituais do presente. Composto por amparadores hindus, chineses, egípcios, tibetanos, japoneses e alguns gregos, eles têm o compromisso de ventilar os antigos valores espirituais do Oriente nos modernos caminhos do Ocidente, fazendo disso uma síntese universalista. Estão ligados aos espíritos da Fraternidade da Cruz e do Triângulo. Segundo eles, são "iniciados" em fazer o bem, sem olhar a quem.

 
 

Omraam Mikhaël Aïvanhov

"O mundo invisível é tão povoado quanto o mundo visível; e, nos lugares onde os seres humanos vivem, milhões de entidades luminosas ou trevosas vão e vêm, circulam, sem que eles percebam isso. Se os seres humanos não consagram a própria casa, se não se circundam com uma barreira de luz, as entidades trevosas, encontrando as portas abertas, entram e fazem estragos. Na Natureza, todas as criaturas desconfiam: pássaros, animais e insetos levantam ao seu redor obstáculos para impedirem de serem encontrados e capturados. O ser humano, que aprendeu a se proteger no plano físico, nãosuspeita que também possa ser ameaçado - e muito mais perigosamente – no plano psíquico: uma multidão de espíritos maléficos se obstina, dia e noite, para levar a humanidade à ruína. Felizmente, a humanidade também tem protetores, entidades luminosas e cheias de amor, e é graças a eles que ela ainda não foi destruída; mas é preciso que nós, através de um trabalho consciente ajudemos a nos proteger."

Obs.: Enquanto passava essas linhas a limpo, lembrei-me de um texto antigo, do qual gosto muito, e que apresenta estreita relação com a temática desses escritos. Segue-se o mesmo logo abaixo.

 
 

Somos pintores, e nossa mente é a tela. Projetamos nela as cores dos nossos pensamentos e aspirações. Às vezes, criamos atmosferas coloridas. Porém, em outros momentos, pintamos as cores de nossas dores e desejos infelizes.

Quando unimos nossos pensamentos aos pensamentos de Jesus, Krishna, Buda e tantos outros mestres de consciência, pintamos com eles e nos tornamos co-criadores de atmosferas felizes. Entretanto, quando unimos nossos pensamentos às vibrações infelizes, sintonizamos as mentes imersas nas trevas conscienciais. Tornamo-nos, assim, sócios espirituais na produção de telas trágicas. Tudo é questão de sintonia!

Nossas telas de vida refletem a qualidade de nossos pincéis (escolhas e atos). Nossas cores são o reflexo do que somos. Viver é pintar! Pensamentos emolduram situações e atmosferas. Podemos pintar alegrias ou desgraças nas telas de nossas vidas. Tudo depende da inspiração do pintor. Em escala maior, o universo é aimensa tela onde o TODO* projeta as tintas do amor infinito. Somos expressão dessas cores magnânimas. Portanto podemos ser co-criadores de climas felizes nas telas do infinito de nossas vidas. Que nossas telas tenham as cores da paz

** (Texto extraído do livro “Falando de Espiritualidade” – Wagner Borges – Editora Pensamento - 2002).

Notas:

* O TODO: expressão esotérica usada para designar Aquele Poder Maior que está em tudo! O Absoluto; O Supremo; O Grande Arquiteto Do Universo; O Papai do Céu; Deus.

** Sobre o trabalho com as cores, há um ótimo ensinamento do mestre búlgaro Omraam Mikhael Aivanhov:

"É a luz que contém as verdadeiras riquezas. Quando aprenderem a trabalhar com ela, sentirão que assuas relações com os seres humanos melhoram pouco a pouco. Por quê? Porque quando se é rico, torna-se generoso. É porque vivem na abundância e na plenitude que os Iniciados e os Grandes Mestres necessitam ajudar os outros e amá-los. Vocês ainda não sabem o que a luz contém como força, clareza, pureza, inteligência... Compreenderão isso quando tiverem aprendido a trabalhar com as sete cores que compõem a luz branca. Cada cor é expressão de uma virtude: o vermelho é a vida, o amor; o laranja, a saúde, a santidade; o amarelo, a sabedoria; o verde, a evolução, a eternidade; o azul, a verdade, a paz; o índigo, a força; o violeta, o amor espiritual e a onipotência divina. Trabalhem com as virtudes das sete cores e se sentirão ricos com todas as suas bênçãos."

Omraam Mikhaël Aïvanhov (1900-1986) - mestre espiritualista búlgaro, que morou a maior parte de sua vida na França, onde fundou a Fraternidade Branca Universal - www.fbu.org (não confundir com a Fraternidade Branca do Himalaia, dos mestres, que se situa em planos sutis). É um dos mentores espirituais dos trabalhos do IPPB. Mais informações sobre o seu trabalho podem ser conseguidas em nosso site - www.ippb.org.br. Basta entrar na seção de busca por palavras do site e clicar o seu nome. Daí, surgirão diversos textos dele postados em várias seções do site, e aí é só mergulhar em seus escritos e se fartar de ler textos excelentes e cheios de sabedoria espiritual e humana.

 
 
Existem riachos extrafísicos, de águas cristalinas, Por onde os espíritos passam, entre os planos. Ali, eles nadam contentes, rumo ao Templo das Águas. Sim, rumo ao Templo das Águas... Enquanto eles nadam, as estrelas passam... Nas águas que correm, eles escutam o eco de mil vidas. Sonhos e recordações passam velozes, Enquanto eles se curam nas águas do Céu.

Ah, eles estão voltando para casa, mais uma vez. Enquanto eles nadam, os mundos giram suspensos no infinito. E eles vêem miríades de sóis passando... Nas águas que correm para o Eterno. Eles são como crianças brincando nas águas, Mas estão cheios de lições que a vida lhes ensinou. Nadam livres, sem medo algum, Para o Templo das Águas.

Dizem que essas águas jorram do Coração do Eterno. Por isso elas curam e alegram os espíritos. Nascem na Fonte Imanente da Vida Universal. E correm por entre os planos, acima dos mundos e sóis. Ah, eles estão voltando para casa, mais uma vez. São de todas as raças e idades, E as águas cristalinas limparam seus corpos espirituais. Eles nadam livres de antigas dores, rumo ao Templo das Águas. Enquanto eles nadam, as estrelas passam... Em seus olhos, o brilho da imortalidade. Em seus corações, as lições de vida. Sim, eles estão vivos, e rumam para o Templo das Águas.

P.S.: Eu vi os espíritos nadando nas águas cristalinas, bem no meio do Céu. E me deu vontade de nadar lá também. Contudo, um deles me disse: "Tudo tem seu tempo. Os caminhos da vida são múltiplos e variados. Por ora, apenas descreva essas visões para os seus irmãos da Terra.

O Espírito Supremo permite essa abertura, a você e a outros, para dar esperança aos que estão nas lides da carne. Então, continue escrevendo sobre as coisas do espírito entre os homens. Viva com alegria e, cada vez mais, abrace as pessoas e irradie luz para o bem de todos.

E, quando quiser, voe para fora do corpo* e visite novamente o Templo das Águas curativas e renove suas energias. E, depois, escreva novamente, pois isso ajuda a muitas pessoas que precisam de força e esperança em suas jornadas de vida na Terra. Viva feliz, meu amigo. Cada dia é uma dádiva.

Então, enquanto os espíritos nadam nos riachos celestes, eu sigo escrevendo por aqui... Eu sei que o Grande Amor que gerou a todos os seres e àquelas águas cristalinas, é o mesmo Amor que ilumina o meu pequeno coração. É por Ele que escrevo, sem esperar entendimento de ninguém. Os motivos, só Ele é que sabe. Enquanto os espíritos nadam, bem vivos e livres, as águas correm acima dos mundos e sóis, e eu sigo escrevendo, por causa daquele Grande Amor, que não se explica, só se sente.

(Dedicado a Antonio Eduardo Mafra e Tieko Oka Kondo, que hoje nadam nas águas do Céu, para o Coração do Eterno.) Paz e Luz. São Paulo, 25 de novembro de 2008.

 
 

Olá, Meu Grande Amigo. Eu ouvi seu chamado em meu coração. E aceito. Aliás, como poderia não aceitá-lo? Devo tanto a Você! Sim, eu estou pronto, como sempre... Que eu seja digno dessa tarefa*. Que meu abraço seja luminoso. Que os meus chacras sejam como sóis. Que a sabedoria guie meus passos e meus passes. Que o meu coração seja um sol de amor. Que minhas mãos sejam de luz.
Que eu seja seu veículo, Gopala! Que suas ondas azuladas ajudem a todos. Que quem desencarnou, voe com Você para o Céu. Que quem ficou na Terra, receba sua compreensão. E que aconteça o melhor, por Sua Graça. Sim, eu sei, Govinda. Não importa quem seja ou onde esteja. Que Você guie as energias por onde achar melhor. Seja lá para quem for... Que o melhor aconteça! E, mais uma vez, eu lhe agradeço pelo chamado. Não sou médico da carne, mas sou da alma. Porque Você me fez assim. Porque eu sei o poder da Luz. Então, que eu seja digno dessa jornada invisível. Onde, em silêncio, com Você, meu coração abraça outros. Eu sinto as sensações deles, enquanto passam para o Céu... Sinto o rompimento de seus cordões de prata. Sinto as emoções deles - seus medos e suas dúvidas finais. E os abraço na Luz, como Você me ensinou. Para que eles se sintam bem e amados, de alguma maneira. Não os vejo, só sinto. Mas eles estão em meu coração. E eles e eu, no Seu Grande Coração!

P.S.: Krishna, algum dia será minha vez de passar também. Até lá, no meu tempo de vida, que eu seja digno de servi-Lo. E que esse tempo seja lindo! Por onde eu for e com quem for... Por agora, além de viajar com a Luz, que eu ria muito, como sempre. E que o meu abraço sempre seja o Seu abraço secreto. Para que alguém melhore, aqui e além... Para que o Amor se faça presente em outros corações. Sim, Meu Grande Amigo, eu escutei o Seu chamado. E minha noite quieta de domingo ficou azul da cor do céu. Da cor do Seu azul. Oxalá, que alguém também sinta isso ao ler essas linhas. Um Amor secreto que viaja por aí, por entre as letrinhas... Que eleva as consciências, em silêncio, como deve ser. Na Terra, no Céu, e nos corações que amam e abraçam. Sempre na Luz. (Essas linhas são dedicadas aos médicos da alma, pessoas que trabalham silenciosamente irradiando energias e preces a favor dos homens de todos os lugares. O mundo não as conhece, mas Krishna conhece seus corações e sabe quem é da Luz). Paz e Luz. São Paulo, 17 de agosto de 2008.

Notas: * Esses escritos foram feitos durante um trabalho de irradiação de energia que faço aqui de casa. Escrevi para registrar o momento e a ação da compaixão silenciosa do Céu entre os homens. Outros médicos da alma, de todas as linhas espirituais, compreenderão bem o que viaja nesses escritos.

Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e que têm como função principal a absorção de energia - prana, chi - do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico. Os principais chacras são sete – que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico.

Govinda e Gopala - são epítetos de Krishna, considerado como o “Pastorzinho Divino”, que tangencia os seres na direção da Bem-Aventurança (ananda) e da consciência cósmica (o samadhi, a expansão da consciência, muitas vezes associada ao despontar da aurora dissolvendo as trevas – o ego - e fazendo a atmosfera dançar na luz). Govinda (Om Namah Govindaya) e Gopala (Om Gopalaya Namah) também são considerados como mantras de dissolução de climas psicofísicos densos. Trazem alegria e espantam as confusões e equívocos.

Cordão de prata – conduto energético que liga o corpo espiritual ao corpo físico; cordão astral, cordão fluídico; cabo astral, cordão de luz; laço vital; fio de prata; cordão perispirítico. Na hora da morte, os filamentos desse elo energético se dissolvem e desprendem a consciência de volta para casa espiritual.

 
 

Que, da Terra Pura dos Budas, desça a paz espiritual entre os homens. Que os céus se abram, para que o Grande Coração do Amor dos Budas toque os pequenos corações humanos. Para que todos também se tornem Budas! Para que cada ser sensível seja iluminado. Que a compaixão jorre nas dez direções. Que todos sejam curados na Luz!
Que as trevas do egoísmo e da ignorância sejam transformadas pela clara compreensão dos Budas. Para que todos sejam felizes no grande despertar da consciência. Que a Terra Pura dos Budas seja em todos os corações. Que, na escuridão da noite mais profunda, surja a aurora da clara compreensão. Que todos tornem-se Budas!

P.S.: Os Budas são médicos da alma. Eles prescrevem aos homens agitados o remédio da reflexão ponderada e da meditação serena. Porém, mentes agitadas pouco escutam. Por isso, eles só falam no silêncio da meditação. E, quem escuta, desperta, e vê a Terra Pura em seu próprio coração.

(Dedico essa prece na intenção dos médicos responsáveis e bondosos e às crianças abortadas. Que a compaixão silenciosa dos Budas possa abraçá-las e confortá-las. Que o choro delas, que o mundo não ouve, seja transformado, pela bondade deles, em risadas maravilhosas e cheias de vida. Que os médicos da alma curem as dores dessas crianças. E que, no momento adequado, elas possam vir novamente ao palco da vida na Terra, e que sejam bem recebidas por pais responsáveis e por médicos dignos. Que os Budas as abençoem!) Paz e Luz! Jundiaí, 09 de agosto de 2008.

Notas:

Buda - do sânscrito - O Iluminado; Aquele que despertou! Palavra derivada de "Buddhi", que significa "Iluminação Pura" ou "Inteligência Pura". Ou seja, quem alcança o estado de Buddhi, torna-se um Buda, um ser iluminado e desperto.

Enquanto a luz da aurora despontava no horizonte, para iluminar mais um dia na Terra, eu estava projetado fora do corpo num ambiente sórdido, levado pelos amparadores extrafísicos para um lance de limpeza psíquica. Despertei extrafisicamente num ambiente de clínica médica. Ocorre que ali funcionava antes um lugar de abortos. E a atmosfera pesada dessa atividade ainda perdura no astral do ambiente. No duplo da clínica atual ainda está plasmado o clima anterior, com todos os equipamentos e apetrechos da atividade nefanda pairando no ar, sobre as cabeças de quem trabalha ali hoje. E uma entidade extrafísica, que foi médico, ainda age ali, nos bastidores, vampirizando energias e perturbando o astral do ambiente. Provavelmente ele está ligado a algum médico da clínica, ou a alguns de seus sócios proprietários. Deu trabalho para tirar o cara de lá, pois o sujeito era violento e radical. Mas o pior não era a energia pesada dele, e, sim, as imagens que gravitavam no duplo do ambiente. Eu vi centenas de fetos abortados e muitos espíritos ligados a eles e chorando muito. E, mesmo com a experiência que tenho, senti o efeito disso de forma intensa. Junto com o choro, a decepção deles e um sentimento de profunda rejeição. Doía mais neles a dureza do coração das pessoas e sua capacidade de ferir os outros. Doía mais o sentimento de não serem aceitos como gente e de serem expelidos como algo sem importância e sem vida. E também doeu muito em mim. Senti o choro deles em meu coração. Depois, um dos amparadores me disse que é muito grande a quantidade de abortos no mundo e que a humanidade sofre as repercussões psíquicas disso. As lágrimas dessas crianças encharcam de dor o coração da humanidade. Também me falou da falta de dignidade de muitos profissionais da área da saúde, por estarem envolvidos em atividades ligadas ao aborto (incluindo nisso, além dos médicos e enfermeiras desviados de seus propósitos nobres, os empresários que também participam do negócio escuso), e dos sérios comprometimentos cármicos a que se submetem com sua ação nefasta. Ao mesmo tempo, lembrei-me de um grande amigo, o Dr. Juan, médico e espiritualista, participante do grupo de estudos do IPPB, e que já fez mais partos do que consegue se lembrar. Ele faz os partos com música new age no ambiente e se sente honrado de trazer novas estrelinhas ao palco da vida terrena. Ele faz o trabalho dele, não só com técnica, mas também com amor e responsabilidade. E sem perder a espiritualidade, pois sabe que isso ajuda muito numa profissão tão desgastante. Ele sabe que, sem a luz do espírito em seu coração, somente a técnica deixaria seu coração duro e limitado. Por isso ele ri quando vê mais uma criança em seus braços. Ele sabe que está onde tem que estar e fazendo o que tem de fazer. E ele jamais se corromperá! Sua aura está luminosa por isso. Ao voltar para o corpo, ainda sob o impacto emocional do que tinha visto e sentido, confesso que fiquei um tanto quanto irritado só de pensar na cegueira consciencial que leva profissionais de saúde a se desviarem de sua dignidade. E outros, que, às vezes, se ligam a eles, sem saber onde estão se enfiando, na confiança de estar com outros da mesma área, sem perceber o dano psíquico que sofrem. Infelizmente, as mãos desse pessoal estão sujas. Talvez tenham dinheiro sobrando na conta bancária, mas são mendigos espirituais e, oportunamente, o choro das crianças lhes custará muito caro carmicamente. Então, para não me ligar mais nisso e serenar meu coração, fiz uma prece e irradiei energias a favor das crianças abortadas. Mais tarde, já em Jundiaí, onde fui para realizar um curso sobre a antiga sabedoria oriental (com muitas coisas baseadas nos ensinamentos dos Budas e Bodhisattvas), fiz essa prece aos Budas da Terra Pura. Até agora, só de pensar no choro daquelas crianças, ainda fico com o coração apertado. Daí, penso na assistência serena e invisível das almas livres, tranqüilas e magnânimas, que, como a primavera, fazem bem a todos. Penso nelas abraçando invisivelmente essas crianças e levando-as para lugares de luz. Penso nelas enxugando suas lágrimas e falando de perdão, e de que ninguém morre, e que, no amor, todas as dores se curam. Sim, eu penso que as crianças abortadas estão sendo levadas para a Terra Pura, além da ignorância e do egoísmo dos homens. Para bem longe dos caras com mãos sujas, que encharcam a alma do mundo com o choro das crianças. Eu senti o choro das crianças, mas também vi o carinho dos mentores espirituais trabalhando nos bastidores invisíveis e limpando a área extrafisicamente. Será que alguém da clínica atual saberá disso? Quantos terão a noção correta de que ter as mãos ligadas a mãos sujas é uma forma de se sujar também? Será que escrever sobre tudo isso mudará alguma coisa no nível de responsabilidade e consciência de alguém? Não tenho idéia. Mesmo assim escrevo. Pois senti o choro das crianças abortadas em meu coração. Devo isso a elas. Por isso eu escrevo. Por elas. Obs.: Que fique bem claro aqui que não estou julgando os motivos das pessoas que fazem um aborto, muito menos os médicos que tanto ralam dentro dos atendimentos e que se dedicam em sua profissão, mesmo com os poucos recursos de que dispõem na Saúde Pública. Sei que há momentos, dentro da prática médica em hospitais e clínicas, em que decisões precisam ser tomadas rapidamente. Mas o que estou narrando aqui é um clima psíquico específico, terrível, de um ambiente onde abortos eram feitos clandestinamente (e com presenças extrafísicas densas interagindo nos bastidores invisíveis).

 
 

EU REAL – ALÉM DAS APARÊNCIAS

(Experiências Fora do Corpo e Lembranças Extrafísicas)

Você, que desceu a Terra para mais uma experiência no corpo, jamais deixou de ser um cidadão do universo. Sua verdadeira natureza não é desse ou daquele lugar, mas do infinito. Sua casa é no coração do Todo e tudo que vive é seu próximo.

Você pode lembrar-se de muitas vidas, em diversos lugares, mas você é uma consciência espiritual; que não nasce nem morre, só entra e sai dos corpos perecíveis.
Você tem cara de gente, mas o seu rosto espiritual tem a cara da luz.
Você deita o corpo físico no leito, diariamente, mas não fica dentro dele, mesmo que nem saiba disso. Enquanto a natureza faz o seu trabalho de regeneração do veículo denso, você, o eu real, se desprende para fora dele e viaja com o corpo sutil pelos planos extrafísicos; encontra seus amigos astrais e realiza atividades de estudo e trabalho, naquelas moradas além da Terra. E, quando volta ao corpo, nem se lembra disso.
No entanto, dentro ou fora do corpo, é você mesmo o tempo todo.
Quando você rememora vivências de outras vidas na carne, isso ainda é um evento menor. Na verdade, você precisa se lembrar mesmo é de algo a mais, além das lembranças de vidas passadas – muitas vezes, cheias de condicionamentos limitantes e coisas mal-resolvidas; você precisa se lembrar das cidades astrais e dos sítios extrafísicos, para perceber que veio de outros planos e que é um SER DE LUZ, um viajante eterno, e que nada pode limitar o seu progresso ou condicioná-lo a este ou aquele corpo - ou aquela vida ou situação específica.
Você carrega o fogo estelar em seu peito. Você não é branco, negro, amarelo ou vermelho. Você é da raça da LUZ! Você é parceiro das estrelas, sempre foi...
No momento, você está hospedado num corpo denso emprestado pela Mãe Terra. Então, agradeça-a pela oportunidade de aprender algo bom enquanto na carne. E trate corretamente o veículo de argila que Ela lhe emprestou. Tenha respeito e admiração por quem o recebe e o ajuda em sua evolução.
Porém, jamais se esqueça de sua verdadeira natureza espiritual.
Mantenha os pés no chão, mas permaneça ligado ao Alto, de onde vem suas melhores inspirações. Respeite o caminho terrestre, por onde for, mas não perca o brilho estelar dos seus olhos, nem deixe as coisas do mundo bloquearem sua luz.
Da mesma forma que o barco pode entrar no rio, mas o rio não pode entrar nele – e aí, afunda –, entre no mundo, mas não deixe as coisas do mundo afundarem o seu barco espiritual e afogarem a sua lucidez. Vive o que tem que ser vivido, mas sem perder o discernimento e a luz do espírito por causa disso.
Você é mais do que imagina. E, se concentrar melhor sua atenção, desbloqueará diversos de seus potencias adormecidos. Se resolver melhorar, melhorará!
Mas nada acontece da noite para o dia; tudo demanda esforço e paciência; e a ansiedade com qualquer resultado a curto prazo, com certeza envenenará seus melhores propósitos. Apenas estude e trabalhe da melhor forma possível, sem preocupações com resultados ou condições. O seu esforço correto o levará a prestar atenção em algo a mais, na vida e em você mesmo. E isso é um tipo de melhoria.
Você é um cidadão do universo. Sempre foi, e sempre será...
Lembre-se disso!

Paz e Luz.

Wagner Borges

 
 

Em certa ocasião, Jesus subiu no alto de uma montanha para apreciar um lindo pôr-do-sol. Ele gostava de ver a luz solar brilhando na linha do horizonte. Nesses momentos, ele respirava a energia suave do entardecer e vislumbrava os devas trabalhando na atmosfera.

Inspirado, ele fechou os olhos e agradeceu ao Senhor de todas as coisas a beleza da luz solar tingindo de vermelho-alaranjado a linha do horizonte distante. Pensou no infinito poder que gerava luzes como aquelas na imensidão sideral. O mesmo poder que iluminava o coração dos homens.
Quietinho, ele orou ao Pai Celestial pelo bem da humanidade.

Do céu, uma coluna de luz desceu sobre ele. Energias emanadas pelo Alto entraram em seu chacra do alto da cabeça e desceram ao centro de seu chacra peitoral. Dali elas fluíam por todo o seu corpo e irradiavam para fora, tornando-o um centro de expansão luminosa.

Poderosas ondas de amor-luz se expandiam dele e se propagavam silenciosamente para todos os homens. Silenciosamente, o meigo Rabi abraçava luminosamente a sofrida alma da humanidade.
Aquelas energias chegavam até mesmo nos planos densos do Astral e iluminavam incontáveis espíritos atormentados em suas covas trevosas.
O Rabi abraçava os homens encarnados e desencarnados... Ele os amava tanto!
Ele permaneceu no alto da montanha até o anoitecer.

Quando ele desceu, alguns dos discípulos o esperavam no sopé da montanha. Eles lhe perguntaram:

- "Mestre, que luz era aquela"?

Jesus fitou-os serenamente, e lhes disse:

- "Bem-aventurados aqueles que servem aos desígnios superiores do Pai Celestial! Quando quiserem orar, pensem numa coluna de luz enviada pelo Alto. Sintam-se inundados de agradecimento e amor ao Pai. E abracem o mundo secretamente".
Então, olhando a lua cheia que já despontava no firmamento, ele arrematou:

- "Quando eu partir do plano físico, arrebatarei comigo uma multidão de espíritos que ainda estão acorrentados a magias antigas e os levarei a Casa do Pai. Quando orarem, lembrem-se disso."

Pensem nos homens encarnados e desencarnados que povoam esse orbe terrestre em seus vários planos de manifestação.Abracem o mundo com amor.

Na longa fieira das reencarnações sucessivas vocês viverão entre os homens disseminando as verdades espirituais. Não os reconhecerão, pois vocês estarão vestindo outros corpos adequados às condições de suas tarefas no seio do mundo. Mas eu estarei com vocês nas luzes do coração.
As inspirações beneficentes descerão em vocês pela coluna de luz e os transformarão em centros irradiantes de amor-luz.

E os devas e espíritos luminosos os acompanharão invisivelmente nas jornadas de esclarecimento e ajuda espiritual entre os homens. No momento certo eu os arrebatarei definitivamente à Casa do Pai celestial, onde o quinhão de luz do Senhor aguarda a chegada dos justos. Até lá, vocês permanecerão entre a Terra e o Céu, servindo aos desígnios superiores.

"Bem-aventurados aqueles que trabalham em nome do Senhor da vida!"

E ali, no sopé da montanha, o meigo Rabi abraçou os discípulos e dotou-lhes de particular benção secreta a ser compartilhada entre os homens ao longo dos séculos.

Hoje, mais do que nunca, em época de turbação coletiva e de intensa violência em vários setores da vida humana, é necessário erguer os pensamentos ao Pai Celestial e abrir o coração com humildade e discernimento, para que a coluna de amor-luz possa descer sobre todos nós e nos tornar trabalhadores dignos da seara espiritual que guia nossa existência.

Olhando a imensa teia tecida por Maya para aprisionar o coração dos homens na violência e no desânimo coletivo, penso no Rabi sentado no alto da montanha orando e com uma coluna de luz sobre ele.
E sei que de alguma forma invisível ao mundo, um abraço silencioso e toques espirituais são derramados na alma da humanidade. De alguma forma, o Rabi toca a todos nós. E uma coluna secreta inunda o coração de amor-luz.
Que no "sopé da montanha de nós mesmos", no cadinho secreto de nossos corações, possamos ser justos e dignos do abraço do Rabi.

 

Enquanto passava a limpo esses escritos, lembrei-me de uma prece luminosa ensinada pelo inspirado antroposofista alemão Rudolf Steiner:

"Ó Luz!
Que reanima
Os corações dos pobres pastores.
Ó Luz!
Que ilumina
As sábias fontes dos reis.
Ó Luz divina!
Sol de Cristo,
Reanima os nossos corações.
Ilumina
As nossas frontes,
A fim de que justos sejam os atos
Inspirados pelos nossos corações;
E justas as metas que
As nossas cabeças querem atingir!
Ó Luz"!

Rudolf Steiner

 
 

Sry Aurobindo

... Levanta teus olhos em direção ao Sol.
Ele está lá nesse maravilhoso coração de vida, luz e esplendor.
Observa, à noite, as inúmeras constelações cintilando como outras tantas fogueiras solenes do Eterno no silêncio ilimitado, que não é nenhum vazio, mas pulsa com a presença de uma única existência calma e tremenda.
Olha lá Órion, com sua espada e cinto brilhando como brilhou aos antepassados Arianos dez mil anos atrás, no começo da era Ariana, Sirius no seu esplendor, Lyra percorrendo bilhões de milhas no oceano do espaço.
Lembra-te que estes mundos inumeráveis, a maior parte deles mais poderosos que o nosso próprio, estão girando com velocidade indescritível ao aceno desse Ancião dos Dias, a quem ninguém, exceto Ele, conhece e, contudo, são milhões de vezes mais antigos que teu Himalaia, mais firmes que as raízes de tuas colinas e assim permanecerão até que Ele, à sua mercê, sacuda-os como folhas murchas da eterna árvore do Universo.
Imagina a perpetuidade do Tempo, considera a incomensurabilidade do Espaço; e, então, lembra-te que, quando estes mundos ainda não existiam, Ele era ainda o Mesmo.
Observa que, além de Lyra, Ele está. E no longínquo Espaço onde as estrelas do Cruzeiro do Sul não podem ser vistas, ainda assim, Ele lá está.
E, então, volta à Terra e considera quem é este Ele. Ele está bem perto de ti.
Repara naquele homem idoso que passa perto de ti, abatido e curvado, apoiado em seu bastão?
Imaginas tu que é Deus quem está passando?
Há uma criança rindo e correndo ao sol.
Podes tu ouvi-lo nesse riso?
Não, Ele está ainda mais próximo de ti.
Ele está em ti, Ele é tu mesmo.
És tu quem arde lá longe, a milhares de milhas de distância, nas infinitas extensões do Espaço, és tu que caminhas com passos confiantes sobre os turbulentos vagalhões do mar etérico.
És tu quem colocou as estrelas em seus lugares e teceu o colar de sóis, não com mãos, mas por este Yoga, esta Vontade silenciosa, impessoal e inativa, que te colocou hoje aqui, ouvindo a ti mesmo em mim.
Olha para cima, oh filho do Yoga antigo, e não sejas mais medroso e cético; não temas, não duvides, não lamentes, porque em teu aparente corpo está Aquele que pode criar e destruir mundos com um sopro.Sry Aurobindo*Texto extraído do inspirado livro "Sabedoria de Sry Aurobindo", lançado no Brasil pela Editora Shakti.

Notas

Sry Aurobindo - Aurobindo Ghose - Índia, 1872-1950 - foi um dos maiores mestres da Índia. O seu trabalho tornou-se conhecido como "O Yoga Integral", porque, como ele dizia, "Toda vida é Yoga". Para mais detalhes sobre os seus escritos inspirados, ver o excelente livro "Sabedoria de Sry Aurobindo" - Editora Shakti, e o site da Casa Aurobindo no Brasil:
http://br.geocities.com/casa_sri_aurobindo

 

 

Eu vejo Você no meio da luz, e tudo muda imediatamente.
Você pisca o olho com jeito matreiro, com jeito de menino.
E sorri, lindamente, como só Você sabe.
Então, meu coração é arrebatado pelo Seu olhar.
Ah, como eu me lembro do grande Tagorefalando de Você.
Dos lótus espirituais buscando a luz na superfície do pântano...
Das brincadeiras de criança no parque astral dos Devas;
E das lamparinas acesas nas casas, nas noites da velha Índia...
Onde o poeta se emocionava e cantava o Seu nome com amor.
Também me lembro do sábio Aurobindo vendo Você em tudo.
E de Ramakrishna entrando em samadhi, só de ouvir o Seu nome.
Ah, meu amigo dos olhos de lótus,
Você sorri e tudo muda aqui dentro.
Não tenho o talento dos sábios e poetas de outrora
- nem sei cantar nessa vida;
Só sei sentir Você.
Só sei o que chega ao coração e me enche de amor.
Só sei que desce algo do céu aqui e entra pelo topo de minha cabeça;
E depois chega ao coração,
que se abre igual ao lótus na festa da luz.
E aí, penso em algo bom para a humanidade, incondicionalmente.
Irradio o céu que chega aqui, para que ele seja céu de todos.
Para que outros também sejam inspirados pela Sua luz.
Em silêncio, sinto Você abraçando o mundo
e os sofredores de todo lugar.
Eles não sabem, mas Você sempre chega junto, de mansinho...
Também O sinto tocando invisivelmente
a muitos trabalhadores espirituais.
Eles são de todos os lugares e linhas
- unidos secretamente no Seu abraço.
Então, por Sua ação sutil,
os chacras deles se tornam lótus espirituais.
E eles são reforçados e inspirados na senda da consciência justa.

Querido Krishna, muito obrigado, mais uma vez.

Om Maharaja!

P.S.: Krishna, não sei cantar nem escrever como os grandes poetas e sábios. De toda forma, escrevo simplesmente o que sinto. Talvez apenas isso possa inspirar a outros que também sentem Você por esse mundão de Deus. E talvez eles se sintam, mesmo à distância, mesmo sem se conhecerem, juntos, na mesma jornada humana e espiritual, dentro do Seu abraço secreto.

Paz e Luz!

**QUE A LUZ DE KRISHNA E DE JESUS ILUMINE A TODOS!

 

NOTAS:

Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e que tem como função principal a absorção de energia - prana, chi - do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico. No contexto hinduísta, muitas vezes os chacras são designados
metaforicamente como "lótus espirituais".

CHACRA CARDÍACO - É o centro de força que expressa os sentimentos e abre a alma ao influxo das luzes do amor divino.

CHACRA CORONÁRIO - É o centro de forças mais elevado do conjunto dos sete chacras principais. É o cento da consciência pura, sempre apontando para o céu.

Devas - do sânscrito - divindades; seres celestes.

MAYA -sanscrito - Ilusão

Om Maharaja - no contexto hinduísta é um dos mantras evocativos de Krishna.

Paramahamsa Ramakrishna - mestre iogue que viveu na Índia do século 19 e que é considerado até hoje como um dos maiores mestres espirituais surgidos na terra do Ganges. Para se ter uma idéia de sua influência espiritual, posso citar que grandes mestres da Índia do século 20 se referiram a ele com muito respeito e admiração, dentre eles o Mahatma Ghandi, ParamahamsaYogananda e Rabindranath Tagore.

RABI - Mestre

Rabindranath Tagore - Índia - 1861-1941 - grande poeta, contista, dramaturgo e crítico de arte hindu.

Samadhi - do sânscrito - expansão da consciência; estado de consciência cósmica.

SHANKARA - Sábio hindu do séc.9 d.c.autor do clássico "Viveka Chuda Mani"

 

 

 

Certa vez, o Buda ensinou:
" Abaixo da iluminação, só há dor!"

Nos momentos de provas acerbas, lembre-se disso.
Quando sentir a dor do mundo em seu coração, pense nisso.
Acima da dor, há luz, muita luz.
Mas é preciso transcender e ver além...
É preciso ver com o olho do coração.
Para cada ser há uma canção.
Para cada prova, uma lição.
Para cada coração, um Buda.
Ninguém morre; o ser espiritual bóia na luz.
Ninguém é jovem ou velho; o espírito não tem idade.
Ao ver a dor da perda de alguém, medite no Buda.
Pense no iluminado abraçando todos os seres sencientes.
Sinta a jóia da compaixão brilhando em seu peito.
Visualize o céu de seu coração cheio de Budas e Boddhisattvas.
No invisível, que os homens ignoram, eles agem compassivamente.
No silêncio, eles abençoam e seguem...
Atreva-se a voar com eles nas ondas da paz! Brilhe junto!
Pense nos seres que sofrem e entregue a dor deles aos Budas.
Eles são médicos da alma e recolherão a dor.
Eles a transformarão em luz."

P.S: Essas palavras amigas me foram passadas espiritualmente, enquanto eu meditava na dor daqueles que perderam entes queridos - e projetava pensamentos e energias benéficas a favor de todos -, pelas vias da mentalização positiva e silenciosa.
Elas vieram sutilmente, pelas vias psíquicas, cheias de carinho e paz profunda. Entraram pelo meu chacra do topo da cabeça e desceram direto ao coração. Ao mesmo tempo, eu via mentalmente - na tela mental interna frontal, sede do chacra da testa – uma massa de luz dourada brilhante. Dentro dela havia uma presença espiritual, serena e amorosa. Foi ela que me passou esse pequeno recado luminoso. Também me pediu para escrever e repassar esses toques amigos livremente - para levar leveza e luzes sutis às pessoas -, e para não revelar detalhes sobre sua manifestação.
Então, aqui estão grafadas suas palavras inspiradas, em nome dos Budas e Boddhisattvas, médicos serenos da alma e amigos espirituais de todos.
Que suas luzes sutis inspirem todos nós.

Om Mani Padme Hum!

Paz e Luz.


Wagner Borges – sujeito com qualidades e defeitos, 45 anos de "encadernação", carioca radicado em São Paulo há 18 anos, que não segue nenhuma doutrina criada pelos homens da Terra; mestre de nada e discípulo de coisa alguma, e eterno neófito da vida e do TODO.
Enquanto finalizava estas notas, lembrei-me de um poema de Fernando Pessoa, o grande poeta português, gênio da escrita, e iniciado nas artes secretas do coração espiritual.
 

NÃO SEI SE É SONHO

Não sei se é sonho, se realidade,
Se uma mistura de sonho e vida,
Aquela terra de suavidade
Que na ilha extrema do sol se olvida.
É a que ansiamos. Ali, ali
A vida é jovem e o amor sorri.

Talvez palmares inexistentes,
Áleas longínquas sem poder ser.
Sombra ou sossego dêem aos crentes
De que essa terra se pode ter.
Felizes, nós? Ah, talvez, talvez,
Naquela terra, daquela vez.

Mas já sonhada se desvirtua,
Só de pensá-la cansou pensar,
Sob os palmares, à luz da lua,
Sente-se o frio de haver luar.
Ah, nessa terra também, também
O mal não cessa, não dura o bem.

Não é com ilhas do fim do mundo,
Nem com palmares de sonho ou não,
Que cura a alma seu mal profundo,
Que o bem nos entra no coração.
É em nós que é tudo. É ali, ali,
Que a vida é jovem e o amor sorri.

Fernando Pessoa

 

 

NOTAS

OM MANI PADME HUM – do sânscrito – sua tradução literal é "Salve a jóia no lótus". Este é um mantra de evocação do boddhisattva da compaixão entre os budistas tibetanos e chineses. Om é a vibração do TODO. Mani é a Jóia espiritual que mora no coração, ou seja, é o próprio Espírito, a essência divina. Padme – ou Lótus – é o chacra cardíaco que envolve, energeticamente, essa jóia sutil. Hum é a vibração dessa compaixão do TODO vertendo a luz pelo chacra cardíaco em favor de todos os seres.
Esse mantra é mais conhecido como o "mantra da compaixão". É um dos mantras mais poderosos que conheço. Pode ser concentrado, mentalmente, dentro do peito – como se a voz mental estivesse reverberando ali –, ou dentro de qualquer um dos chacras que a pessoa desejar ativar. No entanto, o melhor lugar para ele é, realmente, o chacra cardíaco, pois o que chega ali é distribuído para todo o corpo, pela circulação do sangue comandada pelo coração e também a todos os outros chacras do corpo energético.
O chacra frontal, na testa, também é excelente para a prática desse mantra , pois o que chega nele é distribuído ao longo da coluna pelos nadis – condutos sutis de transporte energético pelo sistema –, e comunicado a todos os outros chacras abaixo dele. Esse é o motivo pelo qual vários mestres iogues sempre aconselham aos seus discípulos iniciar alguma prática bioenergética por ele.
Um livro excelente sobre isso é o do pesquisador iogue japonês Hiroshi Motoyama, “Teoria dos Chacras”, editado em português pela Editora Pensamento.

Buda - do sânscrito - O Iluminado; Aquele que despertou! Palavra derivada de "Buddhi", que significa "Iluminação Pura" ou "Inteligência Pura". Ou seja, quem alcança o estado de Buddhi, torna-se um Buda, um ser iluminado e desperto.

Boddhisattvas –do sânscrito – são aqueles seres bondosos que estão perto de tornarem-se Budas ou Iluminados. Para facilitar a explicação, podemos dizer que eles são canais espirituais ou avatares conscientes do amor de todos os Budas.

Chacras - do sânscrito – são os centros de força situados no corpo energético e que têm como função principal a absorção de energia – prana , chi – do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.
Os principais chacras, que estão conectados com as sete glândulas que compõe o sistema endócrino, são sete: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico.

 
PARA SABER MAIS SOBRE O TRABALHO DO PROF. WAGNER BORGES VISITE O SITE: