Visualizações 5

TÍPI (thípi)

A thípi – tipi – era vista pelos caçadores nômades como “uma boa mãe” que abrigava e protegia seus filhos em um local seguro e confortável.

Muito antes de os Sioux, Cheyenne e outras tribos das planícies chegarem às pastagens, o tipi havia sido desenvolvida pelos índios das florestas do norte. Eles usaram uma estrutura de mastro para criar a forma cônica e, em seguida, cobriram a estrutura com casca de bétula, peles de caribu ou outros materiais naturais.

Os nativos das planícies adaptaram essa estrutura básica ao seu próprio ambiente e padrão de vida. Um ajuste no quadro foi feito para acomodar os fortes ventos da região. Couros de búfalo costurados com tendões tornaram-se a cobertura usual.

Para os nativos das planícies, o tipi era uma moradia ideal. Como o búfalo que caçavam, eles estavam em constante movimento. Isso significava que suas casas também deveriam ser facilmente transportáveis. Uma tipi era perfeita para isso. Historicamente, o tipi era  feito por mulheres e era propriedade delas. Elas também eram responsáveis ​​por derrubá-los e montá-los ao se moverem de um lugar para outro. Para movê-lo, duas pontas das varas de apoio eram amarradas a um cavalo. As outras pontas arrastavam-se ao longo do solo, formando assim uma moldura grosseiramente triangular, conhecida como travois, sobre a qual eram amarrados a cobertura de búfalo e os demais bens da família.

Nos novos acampamentos, vários postes longos eram amarrados perto do topo de cada tipi. Os postes eram então levantados e inclinados para fora a partir desse laço central para formar o contorno de um cone. Outros postes se apoiavam nesta estrutura para fortalecê-la e uma cobertura de couro de búfalo era colocada sobre a estrutura. A cobertura foi unida perto do topo com pinos de madeira. A entrada do tipi tinha abas que podem ser fechadas na parte inferior da costura da pele de búfalo. Uma abertura foi deixada no topo para permitir que a fumaça do fogo escapasse.

 

No tempo quente, as abas ficavam abertas, permitindo que a brisa fresca fluísse pelo tipi. Durante o inverno, um forro de pele adicional era adicionado à cobertura do tipi, proporcionando isolamento. O fogo que queimava no centro do chão mantinha o tipi aquecido e fornecia calor para cozinhar.

 

Por causa dos ventos fortes e dominantes que varriam as planícies do oeste, uma tipi foi montada com a entrada voltada para o leste. Da mesma forma, todo o abrigo foi ligeiramente inclinado para o leste para simplificar a retaguarda, diminuindo a pressão do vento sobre ele.

Um típico tipi estava lotado. Continha roupa de cama de couro, um tapete para um bebê, encostos de vara de salgueiro, um berço, uma sacola de cozinha suspensa, lenha e parfleches – bolsas feitas de couro cru – contendo alimentos, remédios e outras necessidades domésticas.

Objetos sagrados, armas, um escudo e outros itens foram pendurados no forro da tenda. Esse forro costumava ser pintado com desenhos de cores brilhantes, relembrando eventos passados ​​na vida daqueles que habitavam o tipi.

TEXTO: Teia de Luz

Imagens: Internet:

Honre o Sagrado!  Quando for reproduzir as matérias desse Blog cite a fonte.

Gostou do conteúdo? Compartilhe

Copyright 2022® – Oficina de Consciência 

teiadeluz@oficinadeconsciencia.com.br

error: Conteúdo protegido!